O destino tem atraído cada vez mais visitantes que buscam contato genuíno com a natureza e dias de descanso longe da correria dos grandes centros. O Jalapão é um “deserto”: a região combina paisagens de cerrado com campos gerais. Escondidos no território estão rios (com prainhas e corredeiras), veredas (belíssimos oásis de vegetação densa em torno de nascentes), cachoeiras e fervedouros (poços com areia finíssima em suspensão que impede que você afunde). Localizado no coração do Tocantins, o seu voo terá que chegar na capital Palmas e você terá um deslocamento de carro de 190 km até a principal porta de entrada do Jalapão a cidadezinha de Ponte Alta do Tocantins. A maior quantidade de atrativos está em torno do povoado de Mateiros, a 160 km de Ponte Alta. Os povoados de Ponte Alta e São Félix do Tocantins também servem como base para visitar outros atrativos.

Quando ir ao Jalapão?

O Jalapão é visitável o ano inteiro. Entre maio e setembro quase não chove e o céu estará azulíssimo (pelo menos até as queimadas do Cerrado começarem, em meados de setembro). Os melhores meses para ir para o Jalapão são de maio a julho.  Para ver o capim-dourado em seu estado dourado, visite em setembro. Durante a época seca os dias são quentes (quanto mais perto de setembro, mais quente) e as noites, frescas. Já as chuvas acontecem de outubro a abril, tendo auge nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro. A temperatura média na região fica por volta dos 30°C e o calor sempre reina por lá.

Principais experiências que você tem que fazer no Jalapão:

Nadar em Fervedouros

Uma das paradas obrigatória no Jalapão são os seus fervedouros. Eles possuem águas translúcidas que ficam em meio à vegetação fechada, características específicas de uma nascente de rio. Além da sua beleza exuberante, um dos principais motivos da grande procura pelos fervedouros é o fato de não é possível afundar em suas águas este fenômeno raro acontece por causa da forte pressão das águas que jorram do lençol freático. Esse aspecto faz com que o corpo humano se mantenha na superfície. Outro ponto importante deste passeio é o fato de ele ideal para as crianças. Elas simplesmente adoram o banho nos fervedouros! Os mais famosos Bela Vista, Buritis, Encontro das águas, Buritizinho, Alecrim, Ceiça e Rio do Sono. 

Sentir as Dunas do Jalapão

O dourado que colore as Dunas do Jalapão faz com que elas sejam o grande cartão postal da região. Localizadas dentro do Parque Estadual do Jalapão, as dunas são emolduradas pela belíssima Serra do Espírito Santo. Na verdade, é graças a essa serra e à ação do vento que as dunas foram formadas. O cenário é mesmo espetacular e é impossível não se emocionar ao ver o sol se pondo diante da troca de cor da areia, que a cada minuto fica ainda mais intensa. A subida ao topo das dunas é fácil e o cenário dos mais gratificantes. 

Trilha para visitar o Cânion do Sussuapara

O cânion é pequeno e cresceu em meio à vereda do cerrado do interior do Tocantins. Escondido na vegetação, os paredões de pedra com doze metros de altura formam uma cortina com a vegetação e água que brota durante todo o ano, independente da seca. No fundo do cânion, uma pequena cascata de água geladinha ajuda a refrescar e fazer uma massagem.

A Serra do Espírito Santo assistir um nascer do sol

é uma das grandiosas formações rochosas do Jalapão. Do alto do platô se tem uma linda vista para a região e para as dunas. É possível chegar ao topo fazendo uma trilha de uma hora. A subida é pesada, mas assistir ao nascer do sol lá no alto é recompensador. Aproveite os primeiros raios de luz para recarregar as energias e seguir para mais um dia de passeios.

Um banho na Cachoeira da Formiga

A tonalidade da água da Cachoeira do Formiga é mesmo de enlouquecer. O verde intenso, com um ponto de azul na rocha de calcário no fundo, faz desta queda d’água um passeio imperdível. A temperatura do poço é ideal para aplacar o calor do Jalapão sem susto e a cachoeira ainda permite uma boa massagem nos ombros.

Rafting na Cachoeira da velha

Maior queda d’água do Parque Estadual do Jalapão, a Cachoeira da Velha já seria linda o suficiente, a vista a partir da plataforma de madeira para observação. Porém, para senti-la por completo e vê-la de todos os lados só mesmo fazendo um rafting! A descida começa já aos pés da queda d’água, no Rio Novo. Apenas com o rafting é possível ver o outro lado da cachoeira, que é formada por dois arcos. Acredite! O lado que não se vê da plataforma de madeira é o mais bonito! O rafting tem corredeiras de nível três e quatro e é capaz de arrancar alguns gritos de emoção, mas o bom mesmo é poder chegar de bote até o véu da Cachoeira da Velha e percorrer as pedras por detrás da queda d’água. Passeio inesquecível!

Relaxe na Prainha do Rio Novo

O Rio Novo é um dos maiores rios de água potável do mundo. E uma boa maneira de curti-lo é relaxando em uma das praias ao longo do curso. Há várias porções de areia, porém a mais famosa e com fácil acesso é a Prainha do Rio Novo, localizada bem perto da Cachoeira da Velha. A faixa de areia fininha é um convite ao banho de sol, mas delicioso mesmo é mergulhar nas águas límpidas desse rio.

Pôr do sol da Pedra Furada

O cenário parece ter sido preparado para os amantes de fotografia. Difícil resistir a algumas fotos na Pedra Furada, especialmente ao pôr do sol. A luz passa por entre os buracos formados pela ação do vento na rocha e faz dos espaços molduras perfeitas para o registro do momento. A subida é bem fácil e o lugar permite curtir sem sacrifícios. Aproveite cada segundo do espetáculo e aprecie e imensidão do Jalapão.

Gostou?  Qual experiência você mais se identificou e que não poderá ficar fora do seu roteiro. Que tal montar aquele roteiro com a agente ¿ Não fique fora desta aventura e ter o contato genuíno com a natureza desligue se do mundo e se ligue com a natureza.

 Consulte-nos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *